Medo x Amor: Encontre sua Paz

06.04.2017

A primeira vez que ouvi falar que medo era o contrário de amor achei muito interessante, mas não entendi completamente. Passei a vida achando que raiva era o contrário de amor, então precisei de um tempo para digerir e incorporar essa nova visão das coisas.

Naquele mesmo dia também aprendi que a motivação de tudo o que fazemos é o amor ou o medo. E resolvi que queria viver uma vida motivada pelo amor. Resolvi que, assim como o Rogério Flausino, eu não escutaria mais o medo. “Você não me leva a nada!”

Só que não é tão simples assim. Bom, na verdade simples até é. Só que não é rápido. É algo que você vai aprendendo cada vez mais profundamente. Com o tempo você passa a enxergar novas formas de aplicar essa novidade na sua vida. Você passa a observar suas motivações e a buscar o amor.

Acontece que eu não sabia onde buscar o amor. Eu já tinha sentido amor, conhecia a sensação. Mas, não sabia de onde ele vinha. Já o medo eu sabia bem. Conhecia seus truques, sabia perceber ele chegando, ele crescendo. Dava quase para ver esse sentimento se colocando como uma barreira a minha frente, me paralisando.

Então, quase instintivamente, foquei no que conhecia e comecei a me dedicar a eliminar o medo. A enfrentá-lo, superá-lo e não alimentá-lo quando o via chegando. Foquei em o tirar da minha vida.

E foi no meio desse processo que percebi: não dá para buscar o amor, porque eu sou o amor.

O amor não é um sentimento que criamos dentro de nós, não é algo que alguém nos inspira a sentir. Isso é outra coisa. Ele é nosso estado natural, é do que somos feitos. Amor é o que sobra quando eliminamos o resto.

Sem querer, ao focar na eliminação do medo, eu fui tirando do caminho as nuvens que me impediam de ver o amor – que sempre esteve ali. Porque o primeiro é assim, ele chega devagar para nos colocar em estado de atenção. Essa é sua função e precisamos disso também. Só que nós alimentamos ele e nos agarramos a ele, como se o medo fosse nos impedir de errar, de fracassar, de conseguir o que buscamos.

E não preciso nem dizer o que viver no medo faz com a gente, né? Tenho certeza que você já se sentiu paralisado pelo medo, já sentiu que deixou sonhos de lado e já deixou de dizer algo que sentia. Vivemos anos e anos tomando cada decisão, dando cada passo, motivados pelo medo. Mas agora chega!

Eu decidi viver no amor – e só o fato de ter tomado essa decisão já me fez sentir mais liberta. Eu ainda sinto medo e acho que vou sentir para sempre, porque ele tem uma função em nossas vidas. Mas não vou mais me agarrar a ele, não vou deixar que tome minhas decisões.

Eu sou feita de amor e é no caminho do amor que vou viver. Te convido a fazer isso também.

Receba novidades por e-mail CadastroGratuito

Receba em Seu E-mail o Mais Atualizado Conteúdo Sobre Coaching e Desenvolvimento Pessoal do Brasil

Comentários:

  1. LEGAL GOSTEI MUITO,NÃO ESTOU CONSEGUIDO VIVER ESSE AMOR
    INTENSO É EDIFIIL.

  2. Me identifiquei muito com seu artigo. Quando li num livro de Emmet Fox que só existiam dois sentimentos: amor e medo; e que deles derivavam todos os outros sentimentos, fiquei um bom tempo refletindo e constatando esse fato. Ler seu artigo, me remeteu a esse dia e me fez pensar bastante. Como nos enganamos tantas vezes dando desculpas para não fazer, o que sabemos que devíamos, ou queríamos muito fazer. Tudo por culpa do medo que nos engana para nos proteger, mas proteger de que? Temos que redimensionar nosso amor pelas coisas, nossos sonhos tem que ser maiores que nossos medos! Obrigada por compartilhar sua linda decisão.

  3. Eu decido viver o amor!

    Esta é a sensação mais sublime que poderemos experimentar. Viver o amor é encontrar sentido nas pequenas coisas, é se alegrar com o vento, o sol, a chuva, o canto dos pássaros. É ser grato pelos momentos sejam eles bons ou ruins porque, em todos eles você terá uma aprendizagem. Enfim, tudo o que é belo, puro e faz sentido provém do amor!

  4. “Eu sou feita de amor” – linda declaração, para começarmos bem o dia. Obrigada, Cris!
    Abraço, Bel Lemgruber.

  5. Também demorei a entender que o medo é o contrário do amor. Não é intuitivo. Mas depois que você descobre, tudo fica mais leve. Não que os problemas desapareçam… eles só ficam mais fáceis de serem contornados. Belo tema.
    Também gostaria de colaborar. Como posso fazer?

Deixe seu Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *