Falar em Público: Aprenda a Não Ter Medo!

06.04.2017
Crie seu futuro – 728 x 90

Você tem receio de falar em público por medo de dizer bobagem? 

Já paralisou no meio de uma fala por causa desse medo?

Já deu voltas nas suas frases por não saber expressar exatamente o que você queria por achar que era besteira?

Passou sua apresentação para um colega de faculdade ou um colega do serviço e, no final, ele acabou ganhando todos os louros?

A primeira situação a se pensar é: O que você tem a perder se falar em público? E o pior, o que você tem a perder se não apresentar nada, ficar omisso?

A segunda situação, a mais importante, é: Você só saberá se vai falar bobagem ou cometer um erro se o fizer e, apenas assim, você estará aprendendo algo novo. Se não fizer nada por causa do receio, do medo de falar em público, você simplesmente ficará para todo sempre no que eu chamo de “E SE…”. Esse termo nada mais é que um momento que na sua cabeça pode até fazer sentido, mas não te leva a lugar algum e, definitivamente, não a um novo aprendizado.

E SE eu tivesse falado bobagem? E SE eu tivesse apresentado o trabalho e ganhado uma nota maior? E SE eu tivesse apresentado a ideia para a diretoria e adquirido uma promoção? E SE eu tivesse apresentado essa visão diferente e o convencido o juiz?

Muito ruim não é verdade?

Passei por uma situação assim que, hoje, encaro como um grande aprendizado. Tinha recém entrado em uma empresa no ramo de informática e fui chamado em caráter de urgência para fazer um atendimento. Chegando no local, o cliente alegava que o problema estava no sistema da minha empresa.

Para isto, eu e meu colega Marcos (nome fictício) teríamos que fazer inúmeros testes para validar o transtorno e encontrar a solução. Logo de cara identifiquei um problema grave de estrutura do cliente e o chefe do setor do Julio (nome fictício) discordou.

Tanto o Marcos quanto o Julio não deram muita bola para a questão, pois ambos estavam em sintonia que o problema estava ou no sistema ou na estrutura externa. Depois de inúmeros testes e muita discussão apresentei uma alternativa para provar o meu ponto de vista.

Precisava levar uma funcionária do cliente para um lugar com outra estrutura de rede de computadores (lan house) e fazer o procedimento para ver se ocorria o erro. Assim, foi provado o meu ponto de vista e o cliente teve de se acalmar.

Na minha empresa, quem fez e apresentou o relatório da situação foi o Marcos, devido ao fato de ter receio de falar bobagem no relatório, ainda mais recém contratado. Apesar de meu colega ter enfatizado que eu identifiquei o problema e que tinha conquistado a confiança do cliente provando o defeito, quem recebeu quase todos os louros (inclusive o aumento) foi ele.

Depois do ocorrido fiquei vários dias no momento E SE, depois de muito refletir cheguei a uma constatação: SEMPRE que tivesse uma oportunidade falaria e apresentaria tudo que pudesse. Dessa forma, abandonaria esse pensamento limitante do “E SE” e passaria para um pensamento muito mais produtivo na minha vida que é o que eu APRENDI errando ou acertando!

3 dicas para falar em público:

Escreva a sua apresentação: literalmente coloque no papel ou digite da sua forma, caso seja mais viável. Por mais que você contrate ou confie em uma pessoa para escrever para você, pode ser que a mensagem não fique com a sua cara. Além disso, redigir sua apresentação vai ajudar a memorizar e mentalizar o conteúdo a ser apresentado e isso é crucial para manter uma apresentação mais agradável. Essa dica leva a segunda.

Treine a apresentação: vá para um lugar calmo que te deixe tranquilo e faça a apresentação como se tivesse um público. Caso tenha auxílio de slides, veja o que pode ser mudado a cada fala e crie um script (esquema) da apresentação. Isso vai fazer você se acostumar com sua própria voz e facilitar a memorização. Se puder, grave-a e escute para ver onde pode ser melhorada e isso ajuda seu cérebro a memorizar que será dessa forma que ocorrerá a apresentação.

Acalme, treine, direcione seus pensamentos: não fique pensando “não estou conseguindo fazer direito” ou ainda “eles não estão entendendo” ou “e se não conseguir falar direito”. Tudo acontece duas vezes na vida, primeiro na sua cabeça e depois no mundo real. Abandone pensamentos limitantes. Saiba que tudo que você mentaliza pode se tornar favorável ou contra você.

Como Steve Jobs disse: Não deixe o barulho da opinião dos outros abafar sua voz interior. E mais importante, tenha a coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles de alguma forma já sabem o que você realmente quer se tornar. Tudo o mais é secundário.

 

Receba novidades por e-mail CadastroGratuito

Receba em Seu E-mail o Mais Atualizado Conteúdo Sobre Coaching e Desenvolvimento Pessoal do Brasil

Comentários:

  1. Eu também quero colaborar…

    1. Cleverson Fiorelli

      Que massa vamos juntos nessa jornada! #stum

  2. Sara

    Ótimo artigo Cleverson, o “E SE” realmente pode nós limitar muito e nós impedir de entregar mensagens incríveis que apenas nós poderíamos entregar.
    Eu também quero colaborar.

    1. Cleverson Fiorelli

      Exatamente Sara, temos sempre que passar a nossa mensagem com foco na abundância e na melhoria constante. #stum

Deixe seu Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Crie seu fututo – 914×172