Fuja das Dívidas e Alcance a Independência Financeira

11.09.2017

Neste artigo eu gostaria de te alertar para uma quadrilha de vilões que, neste momento, está agindo em bando ou um de cada vez na vida da maioria das pessoas do planeta e está as arrastando para a areia movediça das dívidas.

Os vilões são:

O “Espírito Mesquinho”, que o faz ter uma visão microscópica, dar relevância para os pequenos gastos e deixar de lado os gastos que o estão levando para a areia movediça das dívidas.

A vilã “Inveja” se faz de inofensiva, pois no querer ser o outro, você se anula, diminuindo sua autoestima a ponto de te afundar até você estar só com a cabeça do lado de fora da areia movediça das dívidas.

O “Modismo” é o vilão mais elegante, moderno, antenado e etc. Ele te hipnotiza e o faz tornar-se um consumidor impulsivo, que gasta sem pensar e sem ter limites.

A “Riqueza Imediata”, esta vilã age como uma aliada, mas o seu intuito é deixá-lo cada vez mais longe da independência financeira, até que não tenha mais como alcançá-la.

Mesquinhez x Poupar

Você deve estar cansado de ouvir que para ficar rico ou sair das dívidas é só poupar, ou seja, gastar menos do que se ganha e investir o que poupou.

No entanto, tome cuidado para não ficar preso apenas na afirmação “gastar menos”, com o pensamento fixo em reduzir gastos apenas em algumas áreas e deixar outras de lado.

Isso irá causar uma visão microscópica e como já dizia Philip Dorner: “Um espírito mesquinho é como um microscópio: aumenta as pequenas coisas, mas impede de ver as grandes”.

O Espírito Mesquinho é caracterizado por um comportamento de medo da escassez, como:

– Tomar banho gelado, até no inverno;

– Evitar usar a energia elétrica de casa, a ponto de usar a luz da iluminação pública;

– Reaproveitar sobra das sobras de alimentos, produtos de limpeza e etc.

– Falta de vontade de adquirir conhecimento.

No entanto, quando se vai falar da redução dos gastos com vícios e mimos, você vira uma fera. Você defende esses gastos com unhas e dentes.

Estes comportamentos se instalam. Pois, quando se é criança, os pais sempre dizem:

– Para não demorar no banho, pois o chuveiro gasta muita energia.

– Para apagar as luzes e dormir, devido à conta de luz. 

– Para não desperdiçar comida deixando sobras, com o discurso de que se deveria ficar feliz por ter o que comer, pois muitos não têm;

– E o clássico: Por que gastar com livros e cursos? O ensino escolar é suficiente, conhecimento se adquire na prática, cursos e livros são apenas para as escolas e livrarias ganharem dinheiro.

Enquanto o cigarro, as bebidas e outros luxos e mimos deles nem eram citados e, se fossem, havia uma guerra em casa.

Não caia na tentação do “Espírito Mesquinho”

Se ao ler as citações acima você se identificou com um ou mais dos comportamentos, eu gostaria de lhe pedir para que não caia na tentação de tomar as mesmas atitudes de seus pais e ser influenciado pelo “Espírito Mesquinho”. Caso já o tenha, não o alimente, busque ficar consciente do que realmente está fazendo para poupar.

Depois de ler este parágrafo, você deve estar pensando: “Então, como faço para poupar?”

Sim, algumas atitudes para poupar são: Reduzir o tempo de banho, apagar as luzes dos ambientes que não estão sendo utilizados e evitar sobras de alimento e, se tiver a possibilidade, buscar um modo de as utilizar. Mas, nada deve ser feito apenas por fazer, tem que ser uma forma organizada de poupar e que tenha objetivo.

Uma dica é reunir a família e planejar como e onde será feito os cortes e redução do consumo e gastos excedentes, sendo muito importante que todos possam opinar e que os cortes sejam em todos os gastos, sem exceções.

E quanto aos vícios e mimos pessoais, defina um percentual de redução gradual e um fim para os gastos com eles.

Seguindo esta dica, o planejamento terá mais chance de ter êxito, porque todos irão fazer o possível para que ele dê certo, por terem se comprometido uns com outros em poupar.

E a dica final é nunca deixar de investir em conhecimento. Se comprometa em gastar em conhecimento que trará ganhos financeiros, busque cursos grátis na internet e presenciais, pois há cursos e conhecimentos de graça e de ótima qualidade.

Inveja x Progredir

Eu cansei de ouvir de uma antiga colega de trabalho, ao se referir a objetos, ações e etc de outros colegas, a seguinte frase, “Eu tenho uma inveja rosa de …..”, e ainda a justificava de que era uma inveja boa.

Acompanhe comigo a definição de inveja e me diga se mudar a cor da inveja vai amenizar alguma coisa.

“Inveja”=

  1. desgosto provocado pela felicidade ou prosperidade alheia.
  2. desejo irrefreável de possuir ou gozar o que é de outrem.”

Como lemos, esta vilã é muito perigosa, mas a tendência de quem é iludido por ela é de tentar aliviar o seus malefícios, a pintando de boazinha.

Mas, vamos ao que interessa, que é o porquê desta vilã ser prejudicial em suas finanças e te afundas em dívidas.

Vou começar pela falta de gosto que ela lhe faz ter por tudo que você tem, pelas suas conquistas e pelo que almeja (desgosto provocado pela felicidade ou prosperidade alheia).

A sua vida ficará parada, não por falta de capacidade ou ação, mas porque você deixou de sentir gosto pela sua própria vida para querer viver a vida do outro, sem ao menos questionar se ela é real ou não.

E o mais preocupante é quando a inveja o convence que os fins justiçam os meios (desejo irrefreável de possuir ou gozar o que é de outrem). Na ânsia de querer obter o que o outro tem, a pessoa poderá ter, como efeito colateral de seus atos, um problema de consciência, pois suas ações irão à contramão das suas crenças e aprendizados.

Muitas vezes o custo de chegar a ter esta vida foi muito alto. Pode lhe ter custar a família, a saúde e os amigos.

Modismo x É Necessário?

O modismo é um vilão que mexe com seu ego e estima, pois o faz sentir-se mais feliz. 

Ele conta com a ajuda dos seus aliados: a propaganda, as promoções e o crédito fácil, fazendo com você fique hipnotizado e o atraindo para a areia movediça das dívidas.

A propaganda é o mais intruso dos aliados do modismo, ela invade o seu lar e o seduz fazendo com que deseje ter os mais variados produtos e seus benefícios. A vontade fica reprimida em sua mente, até que, sem perceber, você está comprando o que foi anunciado na propaganda e se enchendo de dívidas.

As promoções são aliadas do modismo, e quando menos se espera elas aparecem como se fossem uma oportunidade de gastar menos. Quando você se dá conta, já comprou de tudo e mais um pouco.

O crédito fácil, este aliado do modismo, é muito perigoso, pois ele alimenta e facilita a ação dos outros aliados. O mais preocupante é que para tê-lo, na maioria das vezes, nem precisa comprovar renda e só ter o nome limpo. Ele usa o apelido de cheque especial, cartão de crédito, empréstimo e financiamento pessoal e você deve ter atenção para não cair nas dívidas.

Agora veja como ele faz os outros ficarem mais perigosos.

Você sai de casa apenas para “ver vitrine” e sem perceber pode voltar para casa com aquele apartamento de luxo que há tempo vem ouvindo falar no rádio e na TV, com aquele o carro vermelho de seus sonhos e ainda lotado de sacolas e pacotes de lojas variadas.

E como resultado final, dois financiamentos, um com 360 e outro com 60 meses, com o cheque especial e o cartão de crédito com limite estourado e um empréstimo para cobri-los, pois:

– Você pode comprar a loja toda pela metade do preço ou descontos maiores;

– A primeira parcela fica para daqui a dois meses;

– Sai com carro zero, com juro zero e, ainda, com dinheiro no bolso, tanque cheio e IPVA pago ou outro brinde de sua escolha;

– Usa o FGTS, como entrada no imóvel;

– Pelo “Programa Minha Casa, Minha Vida” e etc.

E você vai afundar nas dívidas estando na moda, morando no luxo em ótima localização e próximo de tudo e com um carro do ano, modelo do ano seguinte na garagem.

No entanto, este vilão é facilmente vencido com uma pergunta simples e hábitos simples.

“É necessário?”

Isto mesmo, quando você for comprar qualquer coisa pare e se pergunte:

Eu realmente estou precisando disto?

Cabe no meu orçamento?

Posso ficar sem ter isso?

E para evitar os aliados do modismo, evite “ver vitrines” quando estiver triste, entediado ou outro sentimento que lhe torne suscetível a agir sem pensar e sem estar consciente do que está fazendo com seu dinheiro. É neste momento que as promoções e propagandas fazem você querer estar na moda.

Evite sair com o cartão de crédito ou cheque especial, com isso você terá que pagar em dinheiro e isso fará você pensar o quanto a compra está custando.

Não financie ou empreste dinheiro, faça uma poupança para comprar o que você deseja. Quanto mais poupar e aplicar mais você terá gosto e conseguirá alcançar a sua independência financeira.

Riqueza Imediata x Riqueza Progressiva

Você já ouviu a seguinte piada:

Um homem rezava, todos os dias: “Deus, que eu ganhe na Mega Sena! Deus, que eu ganhe na Mega Sena! Deus, que eu ganhe na Mega Sena!”

Até que Deus cansou e perdeu a paciência e disse: “Então, pelo menos joga!”

Nesta piada, está resumida a ação desta vilã, elate  ilude e anestesia, com a esperança de ficar rico da noite para o dia, até que não tenha como alcançar a sua liberdade financeira.

Conheço pessoas que, a exemplo da piada, vivem sonhando em tropeçar numa mina de ouro ou baú do tesouro, em receber uma grande herança ou ser sorteado ou acertar em grande premio e, no entanto, não passa disso, ficar sonhando e rezando para acontecer.

E também conheço pessoas que jogam fortuna em jogos como jogo do bicho, loterias e bingos.

Ambas estão ao mesmo tempo se iludindo e anestesiadas pela possibilidade de tornarem-se ricos da noite para o dia. Sendo que uma delas pela possibilidade da riqueza imediata lhe cair do céu ou brotar na sua frente e a outra com a de que seja iluminados com os números certos e premiados, ou seja, que a SORTE lhe sorria.

Como nenhuma das pessoas que eu conheço ganhou grandes somas de dinheiro deste modo e pelo que ouço são poucas pessoas que ficaram ricas deste modo, mantiveram sua riqueza ganhada. Por isso, eu lhe recomendo a riqueza progressiva.

Ela é composta por planejamento e ações que lhe leva à sua independência financeira.

A primeira coisa é fazer um planejamento do que vai como ser feito para que você alcance a sua independência financeira até concretizá-la.

O segundo é garantir que alimentar este planejamento com uma poupança de no mínimo 10% de todo os seus ganhos para ser aplicado na concretização do mesmo.

O Terceiro é garantir que os seus rendimentos sejam reais, ou seja, após pagar os encargos referentes à aplicação e tirando a inflação, possa lhe sobrar um bom dinheiro para você.

E o principal: nunca desanime, porque quanto mais cedo começar, mais fácil será alcançar a sua Independência Financeira.

Nunca desanime, pois quanto mais tarde você começar seu investimento, maior deverá ser a porcentagem investida, ou seja, mais que os 10% citado anteriormente, para poder obter os mesmos lucros de investimento.

Conclusão

Todos os vilões são mortais para suas finanças, cada um ao seu modo o impede de alcançar sua independência financeira, mas a mais prejudicial é a inveja, pois os seus malefícios vão além da sua vida financeira e podem prejudicar também em sua vida social, familiar, sentimental e emocional.

Já os demais vilões, apenas o farão perder dinheiro e se afundar em dívidas, atrasando a concretização da sua independência financeira e a realização de seus sonhos.

 

Receba novidades por e-mail CadastroGratuito

Receba em Seu E-mail o Mais Atualizado Conteúdo Sobre Coaching e Desenvolvimento Pessoal do Brasil

Deixe seu Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *