Por que Você é Mãe?

18.07.2017

Você já se perguntou por que foi dada a você a honra, o privilégio, o benefício e a oportunidade de ser mãe? E também a confusão, a insegurança, as incertezas e as dificuldades de ser mãe?

Milhões de mulheres mundo afora sonham com a chance de ter um filho, seja por meios biológicos ou não. Outras milhões não dão a mínima, até se incomodam com o fato de serem.

E você conseguiu! Por quê?

Será que foi por merecimento? Ou foi por necessidade? Não me venha com essa história de acidente de percurso.

O Universo é perfeito! Acredite você ou não, tudo que acontece com você e comigo tem uma razão perfeita de ser. E tanto você, quanto eu, atraímos tudo da nossa vida, tudo o que vivemos agora e o que vamos viver amanhã, de forma perfeita, na exata medida do que precisamos para nos tornarmos os seres que precisamos e merecemos ser!

Mas, vemos apenas parte da vida. Vemos o agora. Com nosso entendimento momentâneo.

Quer uma prova? Pense em algo inesperado que aconteceu com você no passado e que no exato momento em que aconteceu você lamentou, se entristeceu. Mas tempos depois, você compreendeu que se fosse de outra forma, teria sido pior para você. Se ainda não fez esta análise, faça agora. Sem mimimi, procure que você vai encontrar algo de bom naquilo tudo.

Se não conseguir, faça assim: imagine tudo acontecendo de um jeito diferente e tudo dando mais errado ainda, pior ainda do que foi. Viu só? Tinha jeito de ser pior… (risos).

Agora imagine tudo acontecendo maravilhosamente bem, tudo certinho, do jeito que você queria que fosse. Compare agora os aprendizados que você teve. Em qual situação foi proporcionado a você mais oportunidades de crescimento, de evolução? Conseguiu perceber a grade sacada?

Mas, voltando ao assunto inicial: Por que você é mãe?

E pergunto mais: Por que você é mãe deste filho ou filha, ou destes, que você tem?

Será que foi mero acaso? Mas aí não seria tão perfeito assim.

Eu me faço estes tipos de perguntas o tempo inteiro.

E são essas perguntas que me ajudam a compreender o meu papel, não só no exercício da maternidade, mas também o meu lugar no mundo.

Se, independente de religião, você conseguir desenvolver a aceitação desta verdade da perfeição superior, de um propósito maior, você será capaz de olhar para sua vida e começar a viver com mais plenitude, cada um dos vários papéis e compreender como tudo se complementa.

Algumas vezes eu tive a ilusão de que ao dar a luz eu recebi um ser novo, zerado, prontinho para eu encher com meu conteúdo e ensinar tudo o que eu fui capaz de aprender na vida. E então, quando este ser se tornasse adulto teria suas próprias vivências e passaria para a frente a soma dos aprendizados que acumulou nesta vida.

E isto tem um pouco de verdade e sentido. Mas hoje sei que não é tudo tão limitado assim.

A primeira percepção que tive deste engano veio quando minha filha começou a expressar seus pensamentos, antes mesmo de saber falar. Quando ela não aceitava simplesmente as minhas imposições e insistia em experimentar do seu jeito, criando suas próprias vivências.

Quando ela começou a falar e perguntar, vieram os sustos. Como ela já pensa isso? Como tem tanta certeza e personalidade? Como pode me ensinar tanto sobre mim mesma?

Então eu comecei a descobrir que eu não tive minha filha para ensiná-la. Eu a tive para aprender! Aprender sobre o amor, aprender sobre entrega, aprender sobre mim mesma.

Com a prática da humildade e do amor, o papel de mãe-professora e de mãe-aluna se confundem e me fazem crescer. E não tem jeito melhor de aprender a desempenhar este papel, senão experimentando os erros e acertos desta caminhada.

Quando olho para mim antes de ser mãe, na prática, vejo o quanto me aprimorei como ser humano. O quanto precisava de alguém que me fosse um espelho, que me mostrasse os meus piores defeitos e despertasse em mim a necessidade sobrevivente de me tornar um exemplo melhor constantemente.

Vivenciar a experiência da maternidade é uma das mais intensas e radicais oportunidades de autoconhecimento e aprimoramento.

É uma benção pois não temos escolha e não tem essa de não estar pronta. Pois por mais que você leia e faça cursos, é quando seu filho está em seus braços que você é capaz de gerar energia e força de superação, para ir atrás do que for preciso, seja a cura para a febre ou exercitar a paciência, engolir o orgulho ou jogar fora a timidez, para aprender a agir de novas formas e saber cuidar.

Então, eis a resposta para a pergunta-tema deste artigo, que generosamente divido com você:

Você é mãe para APRENDER!

Aprender a ser melhor com o convívio e relacionamento com outro ser humano; para potencializar o seu aprendizado; para aprender a amar genuinamente, para evoluir de uma forma melhor enquanto ser humano.

Você é mãe para ensinar outro ser humano que se você é capaz, ele também pode.

Você até poderia conseguir caminhar sozinha neste processo evolutivo e aprender tudo o que precisa. Mas, por alguma razão, seja por benefício ou por necessidade de potencializar seu aprendizado, a perfeição precisava acontecer assim.

Então, aproveite esta grande oportunidade e, com amor e humildade, usufrua sua maternidade, que é perfeita, na medida que você precisa para evoluir.

Receba novidades por e-mail CadastroGratuito

Receba em Seu E-mail o Mais Atualizado Conteúdo Sobre Coaching e Desenvolvimento Pessoal do Brasil

Comentários:

  1. Lindo! Lindo! Vale a pena a Leitura do texto da Flavia Gama.
    “Você é mãe para aprender!”

    É uma visão muito bacana! Sobre como tirar boas lições de todos os momentos. Inclusive nos momentos mais difíceis!

    Você pode decidir dizer ao mundo que é difícil ser mãe. E é!!!! Muito difícil!!!!!!

    Mas daí é que se abrem dois caminhos.

    1) o de falar das dores e dificuldades da maternidade. Importante. Não é conto de fadas e todos precisam saber.

    2) Ou falar das dores e dificuldades E também refletir e falar sobre tudo o que vc aprendeu e cresceu e evoluiu e se orgulha depois de ter passado por tudo isso.

    As dores e dificuldades não deixam de existir, mas passam a ter outro significado!!!!!!!! E vc passa a ser o autor da sua história!

    Muito inspirador, Flávia. Obrigada por essa oportunidade de reflexão!

Deixe seu Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Crie seu fututo – 914×172