Medo x Amor: Encontre sua Paz

A primeira vez que ouvi falar que medo era o contrário de amor achei muito interessante, mas não entendi completamente. Passei a vida achando que raiva era o contrário de amor, então precisei de um tempo para digerir e incorporar essa nova visão das coisas.

Naquele mesmo dia também aprendi que a motivação de tudo o que fazemos é o amor ou o medo. E resolvi que queria viver uma vida motivada pelo amor. Resolvi que, assim como o Rogério Flausino, eu não escutaria mais o medo. “Você não me leva a nada!”

Só que não é tão simples assim. Bom, na verdade simples até é. Só que não é rápido. É algo que você vai aprendendo cada vez mais profundamente. Com o tempo você passa a enxergar novas formas de aplicar essa novidade na sua vida. Você passa a observar suas motivações e a buscar o amor.

Acontece que eu não sabia onde buscar o amor. Eu já tinha sentido amor, conhecia a sensação. Mas, não sabia de onde ele vinha. Já o medo eu sabia bem. Conhecia seus truques, sabia perceber ele chegando, ele crescendo. Dava quase para ver esse sentimento se colocando como uma barreira a minha frente, me paralisando.

Então, quase instintivamente, foquei no que conhecia e comecei a me dedicar a eliminar o medo. A enfrentá-lo, superá-lo e não alimentá-lo quando o via chegando. Foquei em o tirar da minha vida.

E foi no meio desse processo que percebi: não dá para buscar o amor, porque eu sou o amor.

O amor não é um sentimento que criamos dentro de nós, não é algo que alguém nos inspira a sentir. Isso é outra coisa. Ele é nosso estado natural, é do que somos feitos. Amor é o que sobra quando eliminamos o resto.

Sem querer, ao focar na eliminação do medo, eu fui tirando do caminho as nuvens que me impediam de ver o amor – que sempre esteve ali. Porque o primeiro é assim, ele chega devagar para nos colocar em estado de atenção. Essa é sua função e precisamos disso também. Só que nós alimentamos ele e nos agarramos a ele, como se o medo fosse nos impedir de errar, de fracassar, de conseguir o que buscamos.

E não preciso nem dizer o que viver no medo faz com a gente, né? Tenho certeza que você já se sentiu paralisado pelo medo, já sentiu que deixou sonhos de lado e já deixou de dizer algo que sentia. Vivemos anos e anos tomando cada decisão, dando cada passo, motivados pelo medo. Mas agora chega!

Eu decidi viver no amor – e só o fato de ter tomado essa decisão já me fez sentir mais liberta. Eu ainda sinto medo e acho que vou sentir para sempre, porque ele tem uma função em nossas vidas. Mas não vou mais me agarrar a ele, não vou deixar que tome minhas decisões.

Eu sou feita de amor e é no caminho do amor que vou viver. Te convido a fazer isso também.