Relacionamento com o Dinheiro: Como Economizar?

Quando eu estava me preparando para escrever este artigo sobre dinheiro, me veio à mente os episódios do Tarzan que assistia em minha infância. Em todos os episódios, ele lutava com um animal quando precisava atravessar um trecho da mata ou um rio ou ainda salvar alguém em perigo.

E como você pode melhorar o seu relacionamento com o dinheiro e como os episódios do Tarzan podem lhe ajudar nesta melhora?

Uma metáfora que os episódios me trazem à mente é a do Daniel Godri, em que ele fala de pessoas que torcem para que o crocodilo ganhe a luta que trava contra o Tarzan. Outra passagem que me vem à mente é uma citação, que é mais ou menos assim: “Se você continuar fazendo o que sempre faz, continuará tendo os mesmos resultados que sempre teve”.

Para que os resultados sofram alterações significativas, se fazem necessárias mudanças no modo de fazer e agir. E para que haja transformações em sua vida financeira, eu lhe recomendo dois passos: o da educação financeira e do autoconhecimento.

O conhecimento financeiro

Vivemos em uma sociedade capitalista, cuja premissa é a busca incessante de dinheiro, do obter um lucro sempre e sempre maior.

Com o lucro que você deve almejar, vem a necessidade de gerir o seu dinheiro. Para isso, é necessário obter conhecimento em fazer um orçamento financeiro pessoal para poupar e investir o que você ganhar.

Orçamento financeiro pessoal

Como citei acima, vivemos em uma sociedade capitalista e, com o passar do tempo, com conhecimento e dedicação, qualquer pessoa pode alcançar a sua independência financeira apesar da atual condição monetária.

O ato de fazer um orçamento financeiro familiar lhe trará como benefício o hábito de manter um controle disciplinado dos ganhos e gastos, até que se incorpore à rotina da família. É também uma forma de administrar o seu patrimônio.

Os passos para definir um orçamento familiar são:

Definir o que ganha e o que gasta:

Para isso você deve anotar de onde vêm seus ganhos mensais, o seu dinheiro de cada mês. Não só de onde ele vem, mas também os valores recebidos.

Defina quais são os seus gastos fixos e variáveis. Os gastos fixos são aqueles que nunca deixarão de pagar, por exemplo: água, energia elétrica, telefone e etc. Os variáveis são gastos esporádicos ou que tem um tempo para terminar.

Agora, determine quais são os gastos essenciais e os que não são muito importantes, para reduzir gastos e passar para o próximo nível.

Saiba exatamente qual sugestão para divisão da renda, por categorias:

  1. 10% da renda para o meu pagamento, para alcançar a liberdade financeira;
  2.  50% da renda para os gastos essenciais: todos aqueles necessários para você se manter no dia-a-dia: moradia, alimentação, transporte, educação, etc.;
  3.  10% da renda para prioridades financeiras: se você estiver endividado, sua prioridade será quitar as dívidas. Se não, poupar para o futuro;
  4.  30% da renda para estilo de vida: todos os gastos relacionados a hobbies e lazer: academia, salão de beleza, compras no shopping, etc.

Aprendizado de como economizar

Quando se fala em economizar, o que vem à mente é o corte das coisas prazerosas, privação do conforto e deixar de gastar com você.

Eu pensava assim até que li um texto do livro “O homem mais rico da Babilônia”, em que fala do fato que economizar é um habito muito benéfico para o futuro, pois com isso você terá recursos para superar infortúnios que possam vir a surgir.

O autor comparou o ato de economizar com a travessia de um animal de carga por um deserto, havendo a opção de o animal poder escolher a carga que carregaria. Se você fosse o animal você escolheria ouro, pedras preciosas, alimentos frágeis e roupas caras ou cereais, feno e água?

Acertou se respondeu cereais, feno e água, pois só com estes recursos ele poderia sobreviver para fazer a travessia. Assim é nossa vida, precisamos fazer escolhas que nos privam de alegrias momentâneas, para que possamos passar nosso “deserto”, o qual todos estamos sujeito a passar, e garantir uma independência financeira para se ter uma vida tranquila.

Ideias para economizar:

  1. Reserve um percentual estipulado previamente para sua independência financeira. Este percentual que irá economizar deve ser de todos os seus ganhos e guarde onde renda dividendos e o não toque, a não ser em casos de extrema urgência ou último recurso;
  2. Crie metas para reduzir seus gastos. Estipule um percentual de redução para um determinado gasto e elabore um modo de reduzi-lo e cumpra;
  3. Crie uma poupança para realizar seu sonho. Defina quanto vai precisar para realizá-lo e divida pela quantidade de tempo que você acha que será necessário para juntar o valor total e deposite em uma aplicação que lhe renda dividendos;
  4. Para cada novo objeto comprado, encontre uma nova utilidade para o antigo ou venda o que não quiser mais, isso, além de tudo, evita entulhamento na casa;
  5. Pague à vista – pagar as compras à vista é uma ótima oportunidade para controlar melhor o que você gasta e obter bons descontos;
  6. Peça desconto – compra no débito, crédito ou dinheiro tem desconto, em percentuais menores no crédito, mas tem. Se não te derem, peça!
  7. Aprenda a fazer consertos em sua casa e economize com profissionais.

Aprenda a investir seu dinheiro

  1. Jamais invista todo o seu dinheiro em apenas uma aplicação, procure aplicar em múltiplas aplicações;
  2. Conheça bem as modalidades de aplicações e tenha e tenha em mente que investir tem seus riscos;
  3. Tenha objetivos claros de quanto quer ter e para quando;
  4. Quanto antes você começar, mais fácil alcançará os seus objetivos;
  5. Jamais descuide de suas aplicações;
  6. Tenha em mente que uma hora você terá que pagar taxa;
  7. Invista em aplicações que lhe dê ganho real, ou seja, após pagar as taxas, impostos e tirando a inflação do período, ainda assim obter lucro.

Autoconhecimento

Lembra que eu falei de torcer pelo crocodilo? Será neste bloco que você entenderá o que significa isto e fazendo uma analogia, torcendo pelo crocodilo, você estará torcendo contra si mesmo em seu relacionamento com o dinheiro.

Todo o ser humano tem na sua mente:

  • Consciente, onde está o aqui e agora, ou seja, o que você está sentido, está pensando e julgando; o pensamento racional e o julgar;
  •  O subconsciente, onde estão guardados o que você sabe e o que acredita;
  • O inconsciente é a parte responsável pelos sentimentos.

Quando você vai tomar uma decisão, geralmente as três partes da sua mente estão envolvidas. O ideal é que a racional dê a última palavra. Apesar disso, para poupar energia, o cérebro toma a decisão automaticamente e é neste momento que mora o perigo.

Quando subconsciente e o inconsciente (ou apenas um dos dois) tomam a decisão, é o instante em que você está torcendo pelo crocodilo. Essa decisão será tomada baseada em suas crenças, sentimentos e modelo antigo de ação.

Vamos a alguns exemplos, de uso do dinheiro pelo seu subconsciente e pelo inconsciente.

O comprar amores

Você compra presentes caros e luxuosos para pessoas que nem uma bala sequer te retribui.

Quando isso acontece você tem a crença ou sentimento de que será querido pelo outro. Espera ter como retribuição que a pessoa nunca lhe abandone, etc, seja ela amiga ou alguns de seus familiares.

A solução neste caso é trabalhar a sua autoestima e fazer com que o seu racional acuse o porquê dar este presente. Se a razão for apenas para agradar a pessoa ou por outro lado, se acaso ela não recebesse este presente, ela lhe trataria do mesmo modo?

Ganha muito e perde o dobro

Neste caso, você tem como receber quantias que são suficientes para manter as suas necessidades e ainda sobra, mas sempre está endividado.

Se você passou pelos níveis anteriores e chegou até aqui, com certeza os problemas são as crenças limitantes:

  1. De que não merece o que ganha;
  2. O que faz não é para receber tanto dinheiro;
  3. Que dinheiro é coisa do diabo;
  4. Você se culpa por ganhar mais do que alguém da sua família;
  5. Ou que ganha dinheiro sem se esforçar.

Solução:

  1. Trabalhar a autoestima;
  2. Fazer o propósito de ajudar seus familiares;
  3. Ajudar a uma instituição de sua escolha;
  4. E principalmente ter consciência de que você é merecedor dos seus ganhos.

O acumulador de produtos nas caixas e no embrulho

Se você tem uma decepção, frustração, o que faz? Sai comprando tudo e guardando ainda o pacote ou embrulho em um local que não vê para não se sentir culpado, até os esquecer?

Com isso você tem a crença de que tudo vai se resolver sozinho, gerando um sentimento de bem estar, satisfação.

A solução neste caso é a busca de meios saudáveis para lidar com o ocorrido, como prática de esportes, meditação e outros meios.

 

Com este artigo, você deve de ter percebido que o único responsável pela melhora em seu relacionamento com o dinheiro é você mesmo! Nessa caso, a solução é se autoconhecer e aprofundar os seus conhecimentos em finanças pessoais.

O mais importante de tudo isto que foi falado é que você possa se policiar e evite agir no piloto automático. É ele que faz com que você tome atitudes e decisões sem passar pelo filtro do racional e cometa erros em suas finanças.